Recomendações Pós-Transplante da Sociedade Americana de Transplantação - Cuidados em viagem

18 de janeiro de 2008

Com este post chegamos ao fim da tradução da brochura da Sociedade Americana de Transplantação. Foram abordados os seguintes temas:

Cuidados em Viagem

Viajar para países sub-desenvolvidos apresenta um risco substancial para pessoas transplantadas, especialmente durante períodos de maior imunossupressão. Assim, o paciente deverá discutir os seus planos de viagem com a equipa médica cerca de 2 meses antes da viagem propriamente dita.

Em países sub-desenvolvidos, os transplantados deverão evitar consumir:
  • água da torneira, gelo e bebidas confeccionadas com água da torneira;
  • sumos naturais de fruta;
  • leite e outros lacticínios não pasteurizados;
  • frutas e vegetais crus;
  • carne, peixe e marisco cru ou mal cozinhado;
  • ovos crus ou mal cozinhados.

Deverão, então:

  • consumir frutas e vegetais que se possam descascar;
  • consumir alimentos quentes;
  • beber bebidas engarrafadas ou enlatadas;
  • ferver a água da torneira ou desinfectá-la com iodo ou filtros portáteis.

A equipa médica poderá prescrever um antibiótico para ser levado e tomado em caso de necessidade.

Outras recomendações:

  • a profilaxia da malária deverá ser prescrita, tendo em conta diversos factores específicos da própria viagem (mais informações aqui), mas tendo também em consideração a interacção com os medicamentos que o transplantado tem que tomar. Não esquecer de levar uma quantidade suficiente de medicação, de acordo com a duração da viagem;
  • deve-se avaliar as vacinas que o transplantado já possui e administrar as necessárias. No entanto, devem-se evitar as vacinas vivas. As vacinas de rotina devem estar actualizadas. O transplantado deverá ter em atenção que, dado o seu estado imunossuprimido, as vacinas poderão ser menos ou não eficazes.
  • Os transplantados deverão estar conscientes das medidas preventivas a tomar relativamente aos perigos que pensa poder vir a correr (ex: protecção contra mosquitos e outros insectos, perigos de nadar em zonas não tratadas, etc.)
  • Discutir com a equipa médica os riscos de praticar actividades como caça, pesca, mergulho, espeleologia, etc.

Fonte: http://a-s-t.org/files/pdf/mobile/SafeLiving.pdf

Na próxima semana iniciamos a tradução de outro brochura da mesma Associação, sobre as especificidades do transplante pediátrico.

1 comentários:

Susana Carinhas disse...

Muitissimo útil!
Outra recomendação que se deve dar aos transplantados que viajam é que se façam acompanhar de uma declaração médica em que se diga a altura do transplante; o tipo de medicamentação que se toma ( de preferência devem-se descriminar Todos os medicamentos que se toma; e colocar também o nome do genérico e/ou da composição química) e as respectivas dosagens.
Essa declaração deve acompanhar SEMPRE o doente transplantado, incluindo para países europeus e Estados Unidos da América, devido ao problema dos produtos tóxicos e do terrorismo...(Isto para não termos problemas com a polícia dos aeroportos e portos)

Bjs