Novo teste detecta rejeição em transplante cardíaco e renal

18 de outubro de 2010

De acordo com uma investigação da Faculdade de Medicina de Stanford (EUA), existe uma nova análise ao sangue que pode oferecer uma nova forma mais rápida e não invasiva de detectar a rejeição do órgão em pacientes com transplantes de coração e rim, antes que o novo órgão seja danificado.

Os investigadores descobriram que os níveis de 3 proteínas facilmente mensuráveis aumentam durante uma rejeição aguda, situação em que o sistema imunitário do paciente ataca o novo órgão. Este é o primeiro estudo a assinalar um sinal de rejeição que é partilhado por dois tipos de transplante: cardíaco e renal.

 O Dr. Atul Butte, co-autor do estudo, refere que "No passdo não era possível detectar a rejeição até esta ter danificado o órgão. O nosso objectivo consiste em desenvolver análises ao sangue que permitam manter os órgãos transplantados em funcionamento, de maneira a que os pacientes possam evitar um segundo transplante." Cerca de 40% dos pacientes com transplante cardíaco e 25% dos pacientes com transplante renal têm um episódio de rejeição aguda durante o primeiro ano de transplante.

Fonte: http://www.businessweek.com/lifestyle/content/healthday/643403.html

1 comentários:

Ministério disse...

Olá, blogueiro (a),
Salvar vidas por meio da palavra. Isso é possível.
Participe da Campanha Nacional de Doação de Órgãos. Divulgue a importância do ato de doar. Para ser doador de órgãos, basta conversar com sua família e deixar clara a sua vontade. Não é preciso deixar nada por escrito, em nenhum documento.
Acesse www.doevida.com.br e saiba mais.
Para obter material de divulgação, entre em contato com comunicacao@saude.gov.br
Atenciosamente,
Ministério da Saúde
Siga-nos no Twitter: www.twitter.com/minsaude