Novas terapias reduzem utilização de fármacos em transplantados

26 de janeiro de 2008

Cientistas norte-americanos descobriram dois novos tratamentos que evitam que os pacientes que fizeram transplantes necessitem de tomar medicamentos imunossupressores para evitar a rejeição do órgão.

O primeiro estudo, realizado pela Stanford University, envolveu um homem que recebeu um transplante de rim tendo como dador o seu irmão. Durante dois anos não recebeu medicação, tendo sido tratado com terapêuticas combinadas de anticorpos, radiações e células sanguíneas do irmão. O tratamento combinado criou uma espécie de estabilização das células imunológicas que parece ter travado o ataque ao órgão transplantado.

O segundo estudo, conduzido por uma equipa do Massachusetts General Hospital, acompanhou cinco pacientes que receberam primeiro medula óssea dos dadores e depois os respectivos rins. Um dos cinco rejeitou o rim doado, mas os restantes têm conseguido sobreviver sem necessidade de medicação, divulga o artigo.

Ler notícia (em português).

Ler resumo dos artigos (em inglês):

1 comentários:

Susana Carinhas disse...

Bom Dia
Eu tenho algumas reservas quanto ás descobertas feitas nos Estados Unidos da América, já que este país tem modos de tratamento das insuficiências renais muito diferentes dos aplicados na Europa.
Contudo, penso que seja um avanço ciêntifico bastante importante para os doentes transplantados!
Esperemos que seja uma prática correcta e efectivamente útil.
Esperemos por mais notícias!